NOSSO TEMPO

segunda-feira, 18 de junho de 2018

FUTSAL DE MENORES: SUB 8 DE GAVIÃO JOGA SÁBADO NO OSVALDÃO


Depois de duas categorias ( sub 12 e 10) do Projeto Show de Bola terem jogado nos dois últimos sábados pelo Paulista & Sul Minas, no próximo sábado será a vez da categoria sub 8, equipe que já jogou nesta competição e venceu duas partidas realizadas em Santa Ernestina. E o jogo deste sábado ( dia 23) será no Poliesportivo Osvaldão as 14 horas horas contra Dobrada e Santa Ernestina. E assim sendo os pais estão convidados para prestigiar seus filhos e claro todos que gostam da modalidade futsal. E os idealizadores deixam também um convite especial aos parceiros deste projeto, que muito somam para que esta modalidade de menores seja uma realidade dentro do salonismo da Cidade de Asas.

sábado, 16 de junho de 2018

FUTSAL: ALUNOS DE HOJE E CRAQUES DO AMANHÃ


Atletas que estiveram em quadra na tarde de hoje em Matão, levando as cores de Gavião Peixoto, sempre com toda garra e empenho, fazendo o esporte da cidade estar sempre sendo representado de forma cordial para com todos organizadores e adversários!!

SUB 10 DE GAVIÃO MAIS UMA VEZ REPRESENTA A CIDADE NO REGIONAL DE FUTSAL


O Campeonato Paulista & Sul Minas teve mais uma rodada na tarde de hoje na categoria de menores sub 10, onde Gavião Peixoto enfrentou a fortíssima equipe de São Carlos. E o Projeto Show de Bola com seis meses desde a sua criação, com apoio dos parceiros e pais, deram juntos a possibilidade que alunos que nunca antes tivessem participado de uma competição oficial pudesse participar, um projeto que permitiu esta inclusão por meio do esporte. E sempre é gratificante tudo que cerca uma partida, primeiro os treinos, depois o encontro defronte ao Osvaldão para as viagens, que são sim produtivas, primeiro por oferecer uma ocupação saudável, em um tempo que ficará sempre gravado na mente de cada criança, e ao chegar nas outras cidades para os jogos toda ansiedade que cerca uma partida, o vestiário, a preleção antes de entrarem na quadra, o aquecimento e depois o frio propriamente dito a cada apito dando início aos jogos. E o Projeto será sempre forte se todos continuarem acreditando no objetivo maior neste momento, onde o resultado em quadra tem que ser menos importante que tudo que foi citado que envolve esta atividade oferecida por quem acredita no esporte, idealizadores, parceiros e pais.



quinta-feira, 14 de junho de 2018

FUTSAL P&SM GAVIÃO SUB 10 JOGA PARTIDA DECISIVA CONTRA SÃO CARLOS


Pelo Campeonato Paulista & Sul Minas de Menores o time do Projeto Show de Bola na categoria Sub 10 vai até Matão no próximo sábado enfrentar as 15 horas a forte equipe de São Carlos, que na fase classificatória ficou em 1º lugar no grupo. Mas o foco dos responsáveis pela escolinha e também os pais e dar condições para cada atleta apresentarem sua evolução tática, técnica e física diante do tempo de treinos; ainda sabemos que muito se terá que evoluir em todos os sentidos. Mais apenas uma competição oficial dará a cada um a condição de ver onde se terá que crescer primeiro como cidadão e depois como atleta, já que o Projeto é apenas uma cortina de fumaça, e sempre o objetivo maior será manter cada aluno ligado na fusão que inclua: educação, convívio familiar, entre os amigos, sociedade e depois vem o esporte. Com esta mescla de valores será a  formação do que  consideramos ser o principal, uma geração de bem, fazendo o melhor sempre ao seu semelhante. E aqui o agradecimento a cada parceiro e pais que somam para que este projeto esteja tomando o rumo desejado por todos que gostam de uma ocupação saudável.

CLÁUSULA DE BARREIRA TEM COMO FOCO 'ELIMINAR' OS PARTIDOS 'NANICOS'


Congresso

Cláusula de barreira: entenda os prós e contras de mudança eleitoral que complica vida de nanicos

A Câmara dos Deputados aprovou nesta semana uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que institui a chamada cláusula de barreira e proíbe a realização de coligações partidárias em eleições para deputados e vereadores - medidas que dificultam a sobrevivência de partidos pequenos.
Pela proposta, a partir da eleição de 2018, só terão acesso ao fundo eleitoral e à propaganda eleitoral gratuita no rádio e na TV partidos que preencham os seguintes requisitos: obtenham ao menos 1,5% dos votos válidos na eleição para a Câmara, distribuídos por ao menos nove Estados (com mínimo de 1% dos votos em cada um desses Estados); ou elejam ao menos nove deputados vindos de pelo menos nove Estados.
As barreiras aumentariam progressivamente até 2030, chegando a 3% dos votos em ao menos nove Estados (com mínimo de 2% em cada um deles), ou a eleição de 15 deputados em ao menos nove Estados.
Alguns partidos tentam postergar o início da aplicação da cláusula para 2020. A Presidência da Câmara diz que o texto final será votado na semana que vem. Em seguida a proposta terá de passar pelo Senado. Para que possa valer na eleição de 2018, a PEC precisa ser votada até 7 de outubro.
Com a mudança, se quiserem se agrupar nas eleições, partidos terão de formar "federações partidárias" e serão obrigados a mantê-las durante toda a legislatura, sob a pena de deixar de receber fundos públicos. Hoje muitas coligações são desfeitas logo após a eleição, sem qualquer consequência para as siglas.

Prós

Defensores das mudanças dizem que a cláusula de barreiras reduzirá o número de partidos nanicos - muitos deles criados apenas para abocanhar recursos públicos, segundo seus críticos. Hoje há 25 partidos na Câmara. Dentre os que não integram coligações partidárias, dez têm menos de vinte deputados cada.
Assim, 40% dos partidos da Casa têm bancadas que não chegam a 4% das cadeiras da Câmara. O grupo dos nanicos inclui siglas com pouca visibilidade fora do horário eleitoral, como PHS, PEN, PSL e PRP.
Hoje essas siglas são contempladas duplamente pelo fundo partidário, já que 95% dos recursos são distribuídos aos partidos na proporção dos votos que receberam na última eleição para a Câmara, e 5% são entregues em partes iguais a todas as legendas registradas na Justiça Eleitoral. O fundo aprovado para este ano soma R$ 819 milhões.
Para Rafael Cortez, cientista político da consultoria Tendências, o grande mérito da cláusula de barreira é ampliar o controle sobre a distribuição de recursos públicos aos partidos. "A legislação atual é muito permissiva e gera incentivos perversos para a criação de novas legendas", ele afirma.
Em 2006, o ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), calculou que, se a cláusula de barreira aprovada pelo Congresso naquele ano já estivesse vigorando, só sete partidos receberiam recursos do fundo partidário.
Marco Aurélio foi relator de uma ação movida pelo PC do B e pelo PSC contra a aprovação de uma lei que previa a adoção da cláusula de barreira a partir da eleição seguinte. O STF julgou que a lei era inconstitucional - ou seja, a medida só poderia vigorar se a Constituição fosse alterada (por isso agora o Congresso está tratando do tema por meio de uma PEC).
Muitos defensores da cláusula de barreira dizem que a medida reduziria o número de partidos e fortaleceria as siglas maiores, o que facilitaria a governabilidade. Hoje, para conseguir aprovar suas propostas no Congresso, o governo precisa conquistar o apoio de muitos partidos, atendendo a pedidos de nomeações e liberação de verbas.
Com menos partidos na Câmara, a obtenção da maioria governista seria mais simples e exigiria menos concessões do Executivo, segundo os adeptos dessa visão.
Mas Rafael Cortez diz que a medida não facilitará necessariamente a governabilidade, pois os partidos que serão afetados não têm peso político relevante. Ele afirma ainda que, ao estimular a migração de políticos para partidos maiores, a cláusula pode ampliar as divergências internas das siglas e reduzir sua coesão. "Muito provavelmente a formação de uma coligação majoritária vai continuar dependendo de muito esforço."
Cortez elogia o fim das coligações partidárias em eleições proporcionais, medida também prevista na PEC aprovada na Câmara. Hoje, partidos podem concorrer em bloco nessas disputas, contabilizando os votos como se fossem uma única legenda. Dessa forma, os votos depositados em uma sigla podem ajudar a eleger candidatos de outra.
A prática é adotada por muitos partidos pequenos, que tentam pegar carona em candidatos populares de outras siglas. Em troca, cedem tempo de propaganda para candidatos da sigla parceira que concorrem a cargos majoritários. Muitas vezes, as coligações são desfeitas logo após a eleição.
"As coligações violam a lógica do sistema de representação proporcional ao deturpar a transferência de votos em cadeiras", afirma Cortez. A PEC aprovada não proíbe, porém, as coligações em eleições majoritárias.

Contras

Críticos à proposta aprovada na Câmara dizem que a cláusula de barreira pode dificultar a existência de partidos que, embora pequenos, cumprem um papel importante no jogo político e representam setores sociais minoritários. Entre as siglas que poderiam ser afetadas estão a Rede, partido da ex-ministra Marina Silva, e o PSOL, ambos na linha de frente da oposição ao governo Michel Temer.

Para Pedro Fassoni Arruda, professor de ciência política da PUC-SP, a cláusula traria mais prejuízos do que benefícios. "Acabaria favorecendo justamente os grandes partidos e dificultando não só a atuação dos pequenos, mas o surgimento de novas legendas que possam oxigenar o debate."
Ele afirma que a existência das chamadas "legendas de aluguel" poderia ser combatida por outros meios, como dificultando migrações entre partidos durante mandatos. Hoje muitas siglas são criadas após acertos para incorporar deputados de outras legendas.
Se a proposta atual for aprovada, partidos pequenos que queiram continuar recebendo do fundo podem ter de se unir a outras siglas em federações partidárias, que seriam contempladas pelas verbas desde que superem a cláusula de barreira. A federação teria de ser mantida por toda a legislatura.
Para Rafael Cortez, a possibilidade de criação das federações partidárias atenuaria os efeitos benéficos da reforma e criaria "organizações fictícias, sem qualquer unidade". "Se já há falta de disciplina partidária dentro dos partidos, imagine então dentro dessas estruturas."
Pedro Fassoni Arruda, da PUC-SP, critica o contexto em que a reforma política tem sido promovida, quando o Congresso se vê acuado por denúncias de corrupção e é visto com descrédito por boa parte dos brasileiros. "As negociações estão sendo feitas de maneira casuística para beneficiar os partidos da ordem, que já têm as maiores bancadas no Congresso."

quarta-feira, 13 de junho de 2018

ARTISTA PLÁSTICO ALEGRIENSE TERÁ SUA OBRA NO 3º SALÃO DE ARTE NA EUROPA



Hoje é aniversário de Emancipação de minha terrinha natal Santo Antônio da Alegria, um berço nato de talentos e belezas naturais. E lá em tempos passados se criou o tema Nossa Terra Tem Talentos, através de Tianinha, José Aparecido, Maria José Neves, Luiz da Glória, José Augusto, estes junto com outros foram os idealizadores desta marca. E quantos filhos nossos, que ainda residem na cidade, e outros foram buscar outros horizontes, enfim, mais onde estão levam e muito o nome da Cidade Folclore. E para ilustrar esta data de hoje, vamos dar um destaque a um alegriense que reside hoje em Boa Vista, Roraima, Julio César Barbosa (foto) um dentre tantos talentos da Família Paiva, artista plástico de muito renome nesta Estado, até então, mas seu talento agora se tornou Internacional. Uma de suas obras estará presente no 3º Salão de Arte do Principado de Liechtestein, Europa. E está havendo havendo uma votação on line  para escolha das pinturas no link: http/www.casabrasil-liechtenstein.com/voto-online-2018. E a obra deste Alegriense na disputa tem como tema o Aprendiz de Acordeon (IMAGEM ABAIXO). E numa breve conversa com Júlio ele nos disse como iniciou este gosto:  Eu então desde criança, , primeira pessoa a me dar oportunidade de pintar foi a professora de Educação Artistica Maria Jose que deu uma telinha na quinta serie. Depois o Robertaão meu amigo que me pediu pra pintas os muros do CLT clube; ai quando cheguei aqui em boa vista em 2004, nao parei de participar de varias exposiçoes, ai vendi alguma pro governo do estado, ganhei premio nos concursos de pintura das bases militares do exercito de roraima, certificado de honra, e premio em dinheiro tambem, entao tenho obras no setor publico , batalhoes militares além de acrevos pessoais de clientes. nos disse Júlio.
Esta é a obra que concorrerá no Salão de Arte 

segunda-feira, 11 de junho de 2018

GAVIÃO PEIXOTO INICIA HOJE A DISPUTA DA 1ª COPA REGIONAL DE FUTSAL


Nenhum texto alternativo automático disponível.

Gavião Peixoto inicia hoje a sua participação na 1ª Copa Regional de Futsal Cocão Sport´s. O time comandado pelo professor Marcelo Prando com todo apoio da Sejelt estará no Distrito de Pontunduva, região de Jaú. O Torneio tem 4 grupos com 4 times cada, jogos dentro do grupo, a apenas a melhor de cada chave avançam para fase semi final da competição. Segundo a organização é um regional com jogos apenas no Distrito e em Jaú, portanto nossa torcida não vai poder prestigiar o time gavionense no Osvaldão. O time se preparara dentro da Copa para disputa dos Jogos Regionais em Matão, a categoria é livre, mais GPX vai com uma equipe sub 18.